Você está em:
Postado há 0000-00-00 00:00:00

O lado humano da gestão de RH

Francisco de Assis de Santos1. Introdução Se há um setor que tem muitas dificuldades dentro de uma empresa, estes são os recursos humanos, por que lidar com pessoas não tem mais difícil do que este setor de trabalho; mas por mais que tenhamos regras, normas e orientações para as pessoas conviverem harmonicamente, porém pouco se consegue nessa área, mesmo assim procuramos nos esforçar para que se tenha êxito nas atividades das empresas. Muitos são os problemas dentro da área de pessoal, muito embora hoje tenhamos diversos autores com livros excelentes nos orientando com diversas maneiras de tratar da problemática, mas ainda assim há situações atípicas em que os melhores profissionais sentem dificuldades na administração de pessoal. Nas empresas os relacionamentos humanos começam de cima para baixo; nas dificuldades de chefes e diretores com os seus subordinados, e entre os subordinados; às vezes apenas uma palavra dita de maneira errada e a conseqüente mau interpretação gera distúrbios entre chefes e subordinados, e se inicia a crise social dentro da empresa. A qualidade da informação também merece destaque, pois às vezes informações que são transmitidas entre pessoas não chegam ao destino da forma primitiva e gera dificuldades no trabalho. Por isso que o setor de recursos humanos merece ser bem orientado e ter certo destaque na empresa, pois afinal o RH põe a empresa para funcionar e produzir. Temos a necessidade premente de investir no setor de recursos humanos, pois são as pessoas que fazem a empresa crescer e produzir. Todavia se faz necessário uma interação social bem harmoniosa entre as pessoas dentro das empresas, por que o trabalho se torna produtivo e consequentemente irá surtir efeitos bastante positivo nas pessoas. É o trabalho que fazemos todos os dias que nele nós imprimimos aquilo que somos, ou o que estamos vivendo, e se estamos em paz o trabalho flui harmoniosamente, gerando assim desenvolvimento e riquezas para todos os envolvidos. 2. Desenvolvimento Qual a formula para se viver em grupo sem haver dificuldades nos relacionamentos? E a resposta é quase impossível de se achar, por mais que tenhamos conhecimento e orientações a serem seguidas, mas mesmo assim não encontramos o equilíbrio desta situação que é vivida pelas empresas de modo geral. Mas o que fazer diante desta situação quase sem uma expectativa de se sair bem dela, poderia associar aos recursos humanos um setor de psicologia, trabalhando incessantemente com o único propósito de equilibrar as pessoas, orientando e conduzindo a harmonia no seu relacionamento do trabalho. Mas ainda é preciso que as pessoas individualmente procurem se ajudar umas as outras para haver equilíbrio no ambiente social, e veja se esta é uma saída das melhores possíveis para a problemática ser resolvida nas empresas. Se pudéssemos ver a vida de todas as pessoas nas empresas, e analisar o problema de cada uma quando chegasse à empresa e pudesse considerar o seu problema, provavelmente poderia ser melhor a convivência social. Sabemos que gente tem problema de toda ordem e diferentes graus de necessidades, e que por isso devemos levar em consideração no momento de prejulgar as pessoas. Se todos têm problemas pessoais e familiares, de enfermidades e diversos, precisamos aprender a ouvir as pessoas e prestar atenção no seu problema por que este é um meio de ajudá-la na solução do problema. Sendo assim toda pessoa com problema tem as emoções fragilizadas e, portanto as suas atividades são diretamente afetadas no desempenho, na produtividade, e é necessário um meio de ajuda aquela pessoa a sair da situação que está vivendo. A empresa precisa de produzir e desenvolver suas atividades, gerar recursos e cumprir com seus compromissos assumidos com outras empresas, e quer seus funcionários gerando produção em todos os aspectos, e suas necessidades sendo supridas para garantir os contratos que foram assinados; tudo isso é de grande responsabilidade para gerentes, diretores e chefes, mas por outro lado vivemos com pessoas que tem sentimentos, adoece e que por um momento fica improdutiva, embora esteja presente marcando seu ponto na empresa para cumprir seu compromisso; é neste ponto que se precisa encontrar o equilíbrio, pois surgem as dificuldades frequentemente por que o superior quer produção e subalterno quer compreensão, afeto ou ser ouvido por um momento. Para por um fim a isso é necessário à ajuda de um psicólogo nesse problema, e que as pessoas procurem se ajudar mutuamente umas as outras, e que se encontre a solução viável para situação de maneira amigável e harmoniosa. É essencial a empresa investir em recursos humanos, procurando mostrar para o funcionário a necessidade dele na empresa, o que ele significa para a empresa e a sociedade; fazendo-o compreender o que a empresa faz para sociedade e que ele faz parte deste contexto social tão importante. Esta seria uma primeira iniciativa somada as outras de ajuda de psicólogo e da compreensão dos superiores e chefes, porque o prejuízo só cai sobre a empresa; e necessário é que as pessoas envolvidas tenham a responsabilidade e entendimento que tudo que for feito neste sentido é para contribuir com a produtividade da empresa. A empresa não pode vê o funcionário apenas como agente de produção e de cumprir ordens, mas também vê o lado humano das pessoas. É desta forma que alcançaremos um resultado aproximado do equilíbrio social dentro das empresas. Problema sabe-se que jamais vão deixar de existir, mas iremos amenizar o grau de dificuldade no relacionamento pessoal nas empresas; e com o único propósito de fazer da empresa o nosso segundo lar, onde possamos nos sentir bem e viver com pessoas que sejam como nossos familiares, e que apesar de ter suas falhas e dificuldades, saber um perdoar o outro e continuar vivendo harmonicamente. A sociedade precisa de equilíbrio e harmonia para continuar crescendo constantemente, e as pessoas que fazem parte deste contexto precisam está coesas entre si, trabalhando por um único objetivo que é de produzir, e uns ajudando os outros nos problemas, só assim teremos uma sociedade mais justa e em paz social. 3. Considerações finais As dificuldades encontradas no setor de recursos humanos devem ser levadas em consideração pela empresa, sabendo que todo funcionário é uma pessoa humana e que necessita de ajuda quando está em dificuldade pessoal, e, sobretudo de natureza emocional, por que todo problema incorre em prejuízos nas atividades das pessoas. E é preciso que a empresa esteja envolvida com o seu pessoal para que haja equilíbrio e produtividade, assim sendo ganham ambos na corrida do sucesso empresarial. Não se podem ter dentro das empresas pessoas se atropelando umas as outras para chegar a um determinado objetivo, mas pessoas ajudando umas as outras para chegar a objetivos sociais de interesse da empresa; porque todos estes problemas geram dificuldades sociais dentro da empresa, que tem como conseqüência o atraso das atividades gerando assim improdutividade para empresa. Não obstante, o funcionário tem seus problemas, mas precisa do seu emprego e de trabalhar para se sentir útil para si mesmo e para sociedade, e de sua fonte de subsistência. Não se pode viver com pessoas com uma posição inexorável dentro das empresas, necessário é a flexibilidade por parte das pessoas e da empresa. A empresa precisa do funcionário para produzir e faz constantemente uma avaliação da sua produtividade, quer dizer verifica se uma pessoa é útil ainda para empresa; porém há uma necessidade de se ponderar entre a utilidade do empregado e a necessidade de tê-lo na empresa, e o que o mesmo faz pela empresa para gerar recursos e desenvolvimento. O equilíbrio é um ponto fundamental para ambas as partes, direção da empresa e funcionários, e é por que necessita de ajuda de psicólogo, e que as pessoas sejam orientadas a procurarem a se ajudar mutuamente umas as outras, para que se alcance o bem comum de todos na empresa. Problemas com pessoas sempre haverão de existir, mas se todos se empenharem em ajudar, cada um fazendo a sua parte certamente teremos um ambiente melhor para se trabalhar. A empresa é o nosso segundo lar, mas necessitamos fazer deste lar um lugar de moradia e equilibrado, que se possam viver em paz e harmonicamente uns com os outros, e desta forma gerando riquezas para as empresas e para o país. O propósito é gerar riquezas para o desenvolvimento e crescimento da empresa, porque onde há desequilíbrio que afeta a produtividade com certeza aduzem prejuízos, que alguém irá arcar para suprir uma lacuna. Todavia é preciso que a empresa invista em recursos humanos para se ter um ambiente favorável à produtividade e a harmonia social, porque para convivência das pessoas em grupo é essencial a paz e o equilíbrio social. É com equilíbrio que há produção e crescimento social das pessoas, e das empresas, e o lado humano de RH deve ser visto como um meio de se lograr êxito nas atividades das empresas.

CompartilheNas redes sociais
Outros ArtigosDo dia 23 de September de 2008