Você está em:
Postado há . Atualizado há

Alta na arrecadação: os sinais da economia que vêm dos tributos

Crescimento da arrecadação de tributos em maio representa o melhor desempenho em cinco anos; aumenta a confiança do empresário e do consumidor em junho

Fonte: O Autor

Crescimento da arrecadação de tributos em maio representa o melhor desempenho em cinco anos; aumenta a confiança do empresário e do consumidor em junho

A arrecadação federal das receitas (impostos e contribuições) registrou uma alta real de 1,92% em maio, na comparação com o mesmo período do ano passado, e somou R$ 113,278 bilhões. Os dados foram apresentados pela Receita Federal na última semana e o valor representa o melhor resultado para o mês de maio desde 2014, quando chegamos à marca de R$ 116,237 bilhões. No acumulado do ano, o valor creditado foi de R$ 637,649 bilhões, aumento de 1,28% contra mesmo período do ano passado. Na somatória de seis meses, esse é o desempenho mais satisfatório para o período em cinco anos.

Referente ao trabalho de fiscalização da Receita Federal na recuperação de créditos tributários, o Órgão superou as expectativas em 2018 com 186 milhões, mais de 25% além do esperado. Esses valores são decorrentes de sonegação fiscal por parte de pessoas físicas e jurídicas e representam pouco mais de 8 mil fiscalizações realizadas no ano passado.

De acordo com o Fisco, o avanço, entre outros fatores, se deu pelo crescimento real do Imposto de Renda na fonte sobre os Rendimentos de Capital e do imposto sobre importação e IPI vinculado à importação; elevação do IRPF e CSLL em maio, que somou R$ 12, 834 bilhões, alta de 5,77%.

O crescimento da CSLL expressa uma melhora, mesmo que pequena, no desempenho financeiro das empresas. O incremento na arrecadação da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido é uma amostra que a perspectiva da iniciativa privada é positiva para este ano, mesmo que o cenário econômico ainda indique sinais de recessão. Mas se o sintoma é preocupante, afinal, estamos passando por um período recessivo há anos, outros dados mostram que o paciente pode apresentar melhoras.

Confiança e otimismo moderados

O mês de junho terminou com uma boa notícia para o Varejo. Segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o índice que mede a confiança do setor subiu 1,8 ponto, chegando a marca de 93,2 na pontuação geral. Esse é o primeiro resultado positivo em 2019 e o motivo principal para o avanço do indicador é o otimismo dos empresários do setor. A confiança da construção civil também apresenta alta, após três de queda. O índice ICST mede o nível de confiança de quem atua na indústria da construção e, em junho, subiu 2,1 pontos, depois de ter recuado quase 2 pontos em maio.

Outro sinal positivo está no outro lado do balcão, ou seja, quem compra. A FGV também divulgou o índice de confiança do consumidor no mês passado, que teve uma progressão de 1,9, interrompendo uma sequência de quatro quedas no ano. Apesar do aumento, para a Fundação, o indicador se mantém bem abaixo da série histórica.

Todos esses resultados, da alta da arrecadação, passando pelo otimismo dos empresários, até a confiança do consumidor, mostra que há sim, sinais de melhorias. Todavia, não são suficientes para assegurar uma recuperação expressiva da economia brasileira.

Leonel Siqueira, Gerente Tributário da Synchro

CompartilheNas redes sociais
Outros ArtigosDo dia 25 de July de 2019