Você está em:
Postado há . Atualizado há

O que o mercado de terceirização pode esperar do governo Jair Bolsonaro?

Tivemos recentemente diversas alterações trabalhistas, amplamente discutidas em todos os setores

Tivemos recentemente diversas alterações trabalhistas, amplamente discutidas em todos os setores, que na prática favoreceram profundamente o mercado de terceirização de mão de obra. Agora seguimos para uma mudança profunda de Governo, uma guinada mais à direita como há muito não se via. A grande pergunta agora é: Qual a expectativa do mercado de TI com a chegada do novo presidente Jair Bolsonaro?

Para Ivan Panicio, diretor comercial da Ewave do Brasil para São Paulo e Região Sul, há no mercado um clima de esperança de que, com o novo Governo, a vida das empresas possa melhorar: “O mercado está caminhando para ser favorável aos envolvidos. Fazendo uma análise do mercado, estou vendo positivamente a nova fase que se aproxima. Este olhar geral só é possível, pois o novo presidente que assume em janeiro pensa em facilitar o crescimento das empresas, baixando os impostos, cortando burocracia e, consequentemente, gerando novos postos de trabalho.”

Ivan explica que há a expectativa da redução do timing de abertura de empresas, o que incentiva ainda mais novos empreendedores. Como exemplo, o diretor comercial cita que a própria Ewave está há mais de um mês tentando fechar a documentação para abrir uma nova filial no estado de São Paulo - e com o novo governo, este processo todo será mais fácil, facilitando até mesmo a expansão de empresas já existentes, baixando os custos para uma maior capilaridade:

“Já estamos avançando com esta lei da terceirização, que facilitou muito a vida de diversas companhias, e agora com a reforma da previdência, tal qual em países como Estados Unidos, nós teremos um mercado de terceirização cada vez mais aquecido para que as pessoas possam ter não só o trabalho via CLT, mas também projetos que favoreçam a movimentação dentro do mercado nacional” completa Panicio .

CompartilheNas redes sociais